Um dia chuvoso em NYC

Ano passado foi o ano das conexões pavorosas em New York. Em agosto eu mofei 10h no JFK, e depois passei 12h na cidade. Em outubro fomos para Minneapolis e, novamente, a passagem mais viável era através de NYC. Chegamos num sábado de manhã, e chovia :( Deu um baita desânimo, porque teríamos o dia todo pra andar, e andar debaixo de chuva é chato, né? Além do que, era a primeira vez do Mati na cidade - pois é, o rapaz é da California, já foi até pro Japão, mas nunca tinha ido pra NYC.

Mas ok, engolimos o choro e pegamos um taxi pro Brooklyn, pra casa da minha amiga Emilia. Ela mora em Carroll Gardens, uma área mega charmosa no sul do Brooklyn, um pouco pra baixo da ponte. Fomos recebidos com um brunch mara, e depois de botar o papo em dia, seguimos para a nossa andança. Nossa idéia era andar pela beira da água até a Brooklyn Bridge, e então seguirmos para Williamsburg. E assim fizemos.

Desde a minha primeira ida a NYC eu já tinha achado essa parte do Brooklyn puro charme, super fotogênica, muito gostosa mesmo. E não estava enganada. Mesmo com chuva é uma caminhada muito agradável. Se não tivesse chovendo iríamos pegar bicicletas do Citibank, que estão espalhadas pelo bairro, são ótimas, e por ali é cheio de ciclovia. Mas seguimos a pé mesmo. 
Eu e Manhattan pelos olhos dele

Curtas

O verão aqui em Berna simplesmente acabou sem nem dar tchauzinho. Dia 30 de agosto estava mais de trinta graus, eu estava nadando no rio, tomando sorvete e estirada no sol. Dia 31 amanheceu chovendo, doze graus, e foi só daí pra baixo. Esse fim de semana tivemos manhãs próximas de zero, é mole? Cadê o outono que deveria estar chegando? Pois é... parece que esse ano vai ser assim, de um verão lindo e ensolarado direto para um inverno gelado.
Outono, não desiste da gente, por favor
* * *
Rolou uma ida vapt vupt pra Portugal há dez dias. Fomos correndo pra um casamento em Cascais e eu fiquei é enlouquecida pelo pouco que vi do país. Chegamos numa sexta a noite em Lisboa, saímos com um amigo para beber vinho e ouvir fado, e eu amei o charme da cidade. Quando saímos de casa no sábado e eu vi a cidade de dia, aí sim que me apaixonei de vez. Sem contar os preços, né? Tivemos um problema na chegada e tivemos que rodar uns 40 minutos de taxi, e deu míseros 18 euros, rs. Eu preciso de quase o dobro disso pra ir de casa até a estação de Berna, coisa de 8 minutos hahaha. E preciso nem dizer que casamento em Cascais, na beira da praia, com as melhores amigas do mundo, não tem com dar errado, né? Foi uma noite daquelas pra entrar na memória. E acho que esse conjunto de lembranças, as comidas maravilhosas, as vistas, a simpatia do povo, tudo, já me fez botar alerta de passagem. Muitíssimo em breve espero estar explorando Portugal com o tempo e a profundidade que esse país merece.
Descabelada pelas vielas de Alfama
Matando a saudade de pão na chapa e de pastel de nata
E o cenário de memórias que ficarão pra sempre no coração
* * *
Tenho recebido um monte de visitas e não poderia estar mais feliz. Quando eu realizei que não receberia o visto B esse ano saí pedindo pra todo mundo que pudesse vir me visitar. Seria um desperdício eu passar dois anos sem trabalhar e as visitas começarem a chegar bem quando eu não estivesse mais livre, né? Mas como quem tem amigos e família tem tudo, meu chamado foi atendido e as visitas começaram a chegar. Tem sido maravilhoso mostrar minha nova vida pra pessoas queridas, e além de tudo, me ajuda a sentir que isso tudo aqui é mais real. Ver as pessoas que estão desde sempre na minha vida agora aqui na minha casa tem me ajudado a sentir que a minha vida aqui é pra valer, é real, que aqui é minha casa mesmo. Não sei exatamente porque é assim, mas é. E tende a intensificar. Será um semestre de casa cheia e de coração preenchido.
Pedalando...
... e descendo o rodelbahn com os amigos
* * *
Por fim, a vida pode estar muy bela, mas tem dia que nasce cagado, né? Pois é. Vou fazer um brevíssimo relato do que se passou em nossas vidas ontem entre as 16:30 e as 19h:
- estamos pedalando, o celular de menos de dois meses de Mati voa pra fora do bolso dele e se estraçalha no chão; 
- vamos estacionar as bicicletas num café e começa uma chuva daquelas de vento que antes de você pensar em correr pra dentro, você já está ensopada e pingando, gelada, com a temperatura de 9 graus; 
- após o café, resolvemos seguir na chuva até a estação e pegar um trem com as bicicletas mesmo. Estamos la na estação quando vejo uma mulher olhando muito pra gente. Ela chega perto e solta a bomba: uma das nossas bicicletas foi ROUBADA dela há quase três anos, e ela procura a bicicleta desde então. A bixa estava tremendo, sem voz, chocada, e nós com aquela cara de WTF?! né. Há 2 anos e  meio a gente nem morava aqui, mas dada a situação, a tristeza dela, e tudo mais, achamos por bem fazer o que era certo.. Moral da história: voltamos pra casa molhados, gelados, com um celular e uma bicicleta a menos. Ta bom de estrago em duas horas e meia, né?
* * *
E é isso.. entre perdas e ganhos, entre passeios e dias tranquilos, momentos de casa cheia e tardes sozinhas ouvindo música, a vida aqui vai muito bem obrigada :)

Mais uma lista

Sabe essas listas do que fazer antes de morrer? Antes de casar? Antes dos 30? Que lugares conhecer? Adoro ler e ver como eu me saio. Não pauto minha vida por isso, mas sempre dou umas risadas. 

E aí que esses dias alguém postou uma lista engraçada no FB, de coisas a se fazer na vida, para o bem ou para o mal. Aquela coisa "da vida bem vivida". E eu fui lá olhar, e resolvi compartilhar aqui, porque a maioria dessas coisas me lembra histórias engraçadas. 

Bares e Restaurantes em Berna

Na esteira dos roteiros que fiz aqui pra Berna (veja aqui e aqui), achei legal falar também dos meus lugares favoritos para comer e bebericar. Uma das coisas que eu mais gosto aqui é que não tem "área turística", daquelas onde você vai achar restaurantes de qualidade duvidosa por preços altos, tipo Las Ramblas em Barcelona ou Little Italy em NYC. A parte turística de Berna está no coração da cidade, onde todo mundo faz tudo, e onde os locais transitam o tempo todo. Resolvi listar aqui os bares e restaurantes que, hoje, são os meus favoritos. Eu ainda tenho muito o que conhecer nessa cidade, tenho uma lista de bares e restaurantes para ir, mas como é caro, a gente vai indo devagarinho, rs...  

Um roteiro para Berna - Parte 2

Falei um pouco aqui do roteiro "básico" e essencial de Berna. A verdade é que esse passeio pode ser feito numa tarde, ou num dia se você demorar bastante em cada lugar. Mas isso não significa que quem resolver esticar e passar mais dias aqui em Berna vai ficar entediado sem ter o que fazer, né... Temos sim mais coisas por aqui. 

Gurten
Já falei da montanha urbana de Berna aqui no blog. Na ocasião do post era minha segunda vez lá. Desde então, fiz uma trilha até lá (spoiler: é íngreme, mas os locais amam), e fui também num esquema kids, para aproveitar com crianças. A real é que o Gurten é uma delícia de parque, com uma baita vista pros Alpes, com trilhas para adultos, atividades para crianças, e que vale muito a pena, ainda mais se o dia estiver claro e bonito. O tram 9, sentido Wabern, te deixa no pé do morro, de onde você pode fazer trilha morro acima, ou pegar um funiculaire que custa 5 francos cada trecho. Para os aventureiros é possível levar uma mountain bike no funiculaire e descer numa trilha bem legal também.
Passeando no Gurten
Diversão para os pequenos... Lá tem vários trenzinhos, tem carrinhos para dirigir, parquinho, casa na árvore, etc 

Um roteiro para Berna - Parte 1

Eu já tinha começado a rascunhar esse post há muito tempo, mas acabou esquecido no meio do caminho. Mas aí uns tempos atrás a Alê chegou aqui no blog atrás de informações, e eu percebi que estava comendo bola. Mas ok, antes tarde do que nunca - e alias, se o post estivesse no ar, talvez eu não tivesse trocado uns emails com a Ale, e não teríamos nos conhecido aqui em Berna e olha, que desperdício teria sido hahaha.. 

Eu tenho recebido muitas visitas por aqui, e tem um roteirinho meio básico que adoro fazer com elas. Berna é uma cidade pequena, e os highlits cidade você consegue ver com calma num dia. Então vou colocar aqui nessa primeira parte o roteiro básico e depois numa parte dois vou dar umas dicas extras para quem tem mais tempo na cidade :)

O fim das férias

As férias acabaram. No caso, as férias de Mati, porque sabe como é, não é que eu tenha um trabalho para ir. Mas nessas seis semanas em que ele esteve de folga, passeamos pela Suíça, tínhamos nossos dias de faxina, encontramos os amigos e fazíamos basicamente tudo juntos. E agora acabou, e eu preciso voltar pra rotina. Porém estou aqui, tentando desenhar uma rotina...

Em julho, mesmo com nossas viagens, eu mantive o curso de alemão. Ia para lá de manhã e depois encontrava Mati na estação de trem e saíamos para passear. No fim do mês terminei o nível B1, mas ainda não me sinto apta a começar o B2. Não acho que absorvi a maior parte do vocabulário a que fui exposta, nem estou dominando algumas regras gramaticais básicas. Por isso, resolvi fazer um curso de conversação. Todas as segundas-feiras, por uma hora, irei lá papear. É pouco, eu queria mais, queria duas ou três horas por semana, mas entre as ofertas que eu encontrei aqui na cidade, foi a que se ajustava melhor em termos de horário, preço, etc. São dois meses e vai até o fim de outubro, e aí posso ver se me sinto mais confortável para começar o B2. 

Mas e aí? O que fazer com todo esse tempo livre? Em tempo... em julho fomos fazer a renovação do nosso visto na Gemeinde e a moça me deu esperanças de que conseguiríamos um visto B. Balela. Cá estamos nós, por mais 12 meses com um visto L (e aqui eu falo da diferença entre eles). Sigo aplicando pra vagas, mas sem grandes esperanças de ver algum emprego se concretizando. Ou seja, trabalhar não é muito uma possibilidade, não por minha escolha. Mas estou vendo a viabilidade de fazer trabalho voluntário. 

Também estou em busca de um curso - em inglês, espanhol ou português - de corte e costura. Encontrei uns aqui, mas em alemão e eu não tenho condições. Quando chegamos aqui ano passado, o professor a quem Mati veio substituir ainda não tinha ido embora, e nos mostrou algumas coisas que tinha para vender. Acabamos comprando uma mesinha, um microondas, uma máquina de costura, botas e snowboard, tudo pela bagatela de 90 francos haha. Um ano se passou e eu ainda não aprendi a usar a bendita da máquina e acho que agora é a hora. Não tenho grandes pretensões, tipo participar do Project Runway hahaha, mas gostaria de aprender a usar a máquina, poder fazer barra de calça, fazer uns guardanapos e toalhas aqui pra casa. Sou péssima com habilidades manuais e acho que poderia melhorar um pouco.

Ainda para aproveitar e manter mente sã e corpo são retornei ao ballet duas vezes na semana, que também tinha largado nas férias, estou com um plano aí de voltar a correr, rs, e retomarei minhas caminhadas com a terceira idade. Em breve elas devem acabar, porque né... winter is coming, rs. Mas é ótimo. Tenho contato com suíços, falo alemão, vejo lugares diferentes e aproveito os dias fora, coisa que sentirei muita falta no futuro friorento.

Enfim, estou aqui tentando fazer desse ócio quase forçado um período produtivo. Estou tentando encarar como uma grande oportunidade de exercer criatividade, de aprender coisas diferentes, de me dedicar a mim mesma e de, no futuro, quando estiver trabalhando, não olhar pra trás e pensar que poderia ter aproveitado mais.

Follow @ Instagram

Back to Top